Archive for Novembro 2009

11/25/2009 4

Ser

By Almi Junior

Queria eu
ser o remédio e a doença
ser o perdão e a sentença
a volta ao mundo
e a chegada até a esquina
ser o sono profundo
e a insônia que domina
ser o óbvio e o destino
o plano perfeito incerto
ser cobrador e inquilino
ser longe e ser perto
ser a sede e a fonte
ser o obstáculo e a ponte
ser fome e alimento
desequilíbrio e sustento
ser louco e atento...
Pois quero ser tudo
mas é este o erro meu
ser vazio e ser mundo
sabendo que me basta ser
para ser inteiramente teu.

0

Meu tratado com a dor

By Almi Junior

Em fuga implacável
corre o grito com gosto de mar,
e eu correndo contra o inelutável
me desafio a não me afogar.
Quando o ultimo feixe de luz me atravessar intocável
teu cheiro não estará mais no ar.

A manifestação dos meus olhos silenciosos
me rouba, me compra, me vende
em teus beijos nunca cautelosos
em tuas cartas com o teu tradicional inconveniente.
Inoportunos muros amorosos
por mais que me mate sempre,
temos a mesma algema inerente.

E agora que já conseguiste destruir meus pensamentos
se já assinei teus tratos ostensíveis
se já aceitei teus juramentos
acreditei em teus sorrisos invisiveis
nos teus planos impossíveis...
Dor,
não me procure mais.
Por favor.

11/24/2009 2

O tal do Amor

By Almi Junior

E o corpo pede, clama
chora e chama
doce chama inapagável
do nosso encontro intimo inevitável
que nos incendeia
queima a casa inteira
e só termina na cama.

E enfim,
seremos um
eu em tu
tu em mim.
Pois o amor não é feito de par
é egoísta.
E não importa o que irá falar,
nada que diga
mudará meu ponto de vista.
Deixe o silêncio
é a sua vez.
Deixe-o reinar.

11/22/2009 1

Lágrimasangue

By Almi Junior

Ele para o tanque e desce.
Ao ver tua linda mulher e tua filha
uma dor incalculável em seu coração chagado cresce.
Em teu peito, uma festa de horrores
e teu olhar lacrimejado brilha.
Um andar cansado e arrastado, por muitas mortes
e muitas dores.
Ele cai,
não caminha.
Elas caminham até o homem sobrevivente.
A filha o abraça com toda ânsia que tinha
e o mesmo sangue que mancha tuas roupas perfumadas
cai no saudoso solo quente.
O mesmo solo em que plantara tuas árvores, que se estivessem ali
estariam carregadas
de lembranças de um dia sem fogo saindo dos canos
caminhando na praia com tuas amadas
apenas um sol ardente
jogando ao ar cantigas de muitos anos.
Depois, a mulher
com a tristeza tremula nos olhos azuis
correndo no rosto fino
a ultima lágrima de luz.
Correndo no rosto marcado
a lágrima com o peso da cruz.
E por fim, a bênção
o beijo seco mais precioso do mundo.
Ela acaricia teu rosto ferido,
sem dar muita importância,
agarrada ao uniforme imundo.
Só tem na mente a lembrança
de um guerreiro feito de esperança,
que foi tolo,
por acreditar que na guerra há triunfo.

11/21/2009 0

Vem

By Almi Junior

Menina, vem
Vem e abraça meu universo
com esta vastidão de lábios que tens.
Vem.
Nada mais te peço
Te entrego meu ser homem,
meu ser humano,
meus bens.
Menina, vem
Alague minhas terras
destrua meu cultivo.
Vem que um dia tudo se vai com as guerras
e em seu território serei nativo.
Vem.
Mesmo que o tempo voe nos cavalos de Cronos
me faz teu inimigo
teu amigo.
Quero que teus lábios me devorem ferozmente
docemente,
Me faz de novo teu abrigo.

0

Inesquecível

By Almi Junior

Mulher da praia,
escultura feita de sol
esculpida com as unhas,
por um Deus apaixonado,
sem imperfeição alguma.
Serei eu mais apaixonado
do que o próprio criador de ti?
Serei eu o único condenado
a pensar somente em ti?
E de tantos homens
o que será somente teu,
serei eu?
Mais que isto, mais além
de tantas mulheres
tu será somente minha, também?
Será para sempre assim,
ou eu irei forjar-me em ti
e tu se forjará em mim?
Nos tornaremos inesquecíveis,
pelo menos já é para mim.

0

Num instante

By Almi Junior

Na camisa de força da tua alma
estão atadas as minhas mãos.
Em meu ser, só habitava calma
hoje habita um novo coração.
Mais cheio de si, mais pulsante
e num instante
tudo que vivi
volta ao pó
ao chão.
E lá se vão meus sentidos
lançados
como sementes em uma plantação.

0

Só sossego

By Almi Junior

Cansado de dar voltas
Atirei-me sem medo
Sem exigir coisas novas
Só pedindo sossego.
Teus lábios são tochas de fogo
Que me sequestram o fôlego
Deito-me no teu colo
Só pedindo sossego.
Tuas mãos entorpecentes
Deixam meus olhos dormentes
Não que isto seja um apelo
Mas só estou pedindo sossego.
Inocência entre nós dois não há.
Meus olhos trêmulos seguem-te onde queres que vá.
Corremos, corremos e paramos no mesmo lugar.
Paramos naquele antigo beijo.
Naquele sorriso sem o menor pejo
Não que tenhamos que ser escravos deste frenesi
Estou apenas pedindo sossego.
Não quero pressa,
Nem velocidade.
Não me chame pelo nome
Me chame de meu Nego.
Não me diga suas típicas doces obscenidades
Me diga apenas que me dará sossego.
É só o que peço.

Dedicado à Danielle Rosa (que faz uma falta cruel).

0

Sorria hipocrisia

By Almi Junior

Sorriam enquanto podem.
Bebam seu capitalismo,
Comam seus esbanjes.
Sorriam,
Pois vós escolheis sentar a beira do abismo.
Por que será que não ouço o vosso riso?
É tão triste vê-los assim...
Chuva de desespero.
O sublime holocausto.

0

Minha pequena, pequena minha

By Almi Junior

O frio agora é quem nos acomoda,
Assumindo uma forma
Quase impossível de aceitar.
Ele não percebe quando incomoda,
Aprisionando-nos nesse calabouço.
Aqui, sozinho, é mais frio.
Escuro,
Mal posso ver meu rosto.
Aqui, sozinho, é mais frio,
Mil cobertores não resolvem.
É muito mais do que este mero calor físico,
Quando meu coração não se sente bem.
Preciso tanto de você,
Preciso tanto ter você.
Só o teu amor me esquenta.
Preciso tanto do teu abraço,
Preciso tanto do teu beijo.
Volta mais cedo, minha pequena.

0

Mil voltas

By Almi Junior

Na varanda eu vejo
Tudo aquilo que não vi.
Momentos que perdi
Coisas que não fiz.
Insegurança, inconsciência
Quiçá por mero capricho.
Esqueci, guardei, desmarquei
Como se o medo de errar
Prevalecesse.
Congelasse minhas mãos,
Meus olhos, minha mente pesada.
E Quando bate aquela brisa na beira da nossa praia,
Quando aquela música toca
Me sinto bem,
Me sinto mal,
Sinto sua falta.

0

Imperceptíveis

By Almi Junior

Crianças jogando futebol na porta de casa,
As donas de Casa na porta de casa,
Os pequenos artistas que desenham o Sol na areia quente,
E o sorriso de poucos dentes ilumina seu dia escuro,
Irradia o sol, por trás da casa velha.
Carros, motos, pessoas...
Todas por ali transitam.
Inusitadamente,
Imperceptíveis.
O choro das crianças agora não é de fome,
O olhar que penetra os carros não é de entusiasmo;
A revolta, a voz, o grito.
A lagrima que agora desce devagar,
É de um homem que não agüenta mais ser,
Inusitadamente,
Imperceptível.

0

Enfim, só

By Almi Junior

Já cansei.
Não totalmente, mas a força que ainda me resta
Não será usada para correr atrás de você,
De novo.
Seu perfume que me instigava a te beijar sem pudor,
Seu sorriso que me fazia parar de respirar,
Seu olhar que atravessavam os todos até o meu olhar...
Cansou-me.
Usei de tudo que pudia,
Mas você recusou.
Seu olhar, agora, como um tiro,
Que me tirava toda alegria.
Agora eu não te procuro mais.
Será assim por um bilhão de dias.

0

Como eu queria

By Almi Junior

Então a derrubei do trono,
Para que te sentisse uma rainha.
Então aprisionei as tardes de outono,
Para que as de inverno não se sintam sozinhas.
A solidão é um tédio que dói,
Então abolirei as guerras e o ódio,
E tudo aquilo que destrói.
O Sol é pouco para um coração de gelo,
Então evangelizarei a paz,
E condenarei o desespero.
A teoria da evolução é lixo
Para quem acredita em um criador divino,
Então vou dar aos homens a sabedoria de ancião,
E a humildade de um menino.
E se não lhes bastares toda imensidão,
Vou dar-lhes pouco, a quase nada.
Assim eles saem de seus escritórios,
E vão sorrindo contemplar a alvorada.

Mais acessados

Ocorreu um erro neste gadget

Blogroll

About

Blogger templates

Blogger news