Archive for Maio 2012

5/31/2012 5

O mestre falou

By Almi Junior


Eu governo os espaços por aqui
Eu dito as regras
Mas de vez em quando
(Quando menos espero)
Um pensamento voando
Leva todo o resto
Sem direito a protesto
Sem direito a resposta
Sem saber se quero

Digo que não sei
Mas sei bem
De onde esse pensamento vem
Confesso
Que esse pensamento que veio
É meu também

Está tudo nesta alma confusa
E mesmo quando ela recusa
Dou à ela liberdade
Para voar pelo céu
Ou dou à ela rebeldia
Como disse o sábio um dia:
I'm a rebel,
Soul rebel.

5/29/2012 0

Só isso

By Almi Junior

Quero fazer parte
Ser o infarte
Ser convulsão de arte
Entrar em erupção
Me espalhar por toda parte
Mas que eu não mate
Nada além da minha vontade
De fazer parte

5/24/2012 0

Além

By Almi Junior


Quero novas asas
Novos ares
Novas casas
Novos lugares
Novas brasas
Novas frases
Quero que minhas asas
Voem mais
Do que os olhares.


5/23/2012 0

Visões

By Almi Junior


Ele 
Dizia sobre o bem
Que a arte faz

Elefante
Sabia
Que ser grande
Não significa ser capaz

Ele
Lia sobre
Ângela de Gregório

Elefante
Entendia
Mas sabia que esse encanto
Que os homens escrevem
É ilusório

5/08/2012 0

Moro em teu olho

By Almi Junior


Por um momento
Até pareço caber nas páginas
Mas sempre
Sempre
Algo falta

Saudade cai na pauta
Feito lágrima
Feito eu, lágrima
Que não quer sair do seu olhar
Nem migrar
Para paixões mais seguras
Ou apagar
Todas dores, amarguras

Quero mesmo
As ruas escuras
Vazias
Não quero modificar nada
Nenhum dos dias

Quero percorrer teu rosto
Sair do teu olho
Só nas melhores alegrias
 

5/07/2012 1

Eterno precipício

By Almi Junior



Me vi diante o precipício
E saltei
Para apagar qualquer resquício
Que eu deixei
Em teu colo de nuvem eu caí
Teu perfume me aprisiona os sentidos
Tuas mãos deitam nas minhas
Eu não consigo sair
Tua voz me aprisiona os ouvidos
Não sei se acordo
Ou me ponho a dormir
Se é tudo sonho
Ou uma realidade da qual devo sumir
Depois já não há escolha
Nem pensamento
Pensa a mente ter vontades
Mas qualquer movimento
Compromete
Depois não existem decisões
E as contradições
Se encontram
Abro os olhos lentamente
E me deparo com o precipício
Meus pensamentos se confrontam
Meu coração reclama do que sente
Mas eu sorrio um sorriso meu
E salto outra vez


5/02/2012 0

Impiedosa poesia

By Almi Junior



Talvez a poesia assuste
Pelo tamanho que tem
Quando é longa, assusta
Como uma onda alta que vem
Como um trem

Impiedosa poesia
Quando é pequena, assusta
Como um beijo seu
Como anestesia

Quem diria
Um dia você seria
Tão ou mais perigosa
Do que a poesia

5/01/2012 0

Mal

By Almi Junior



E foi de grão em grão
Que me enchi de saudade
Pelo ar, pelo chão
O sereno da cidade...

É só olhar pra lua
Lembrar da tua brancura nua
Que eu caio na obviedade

Que maldade!

Falar tão docemente
Brincar na minha mente
Depois rir, contente

Como fingir dar uma bola de lã para um gato
Fazê-lo acreditar de que vai ter
Depois puxar de volta...
Assim faz você

Maldosa!

Com essa boca gostosa
Esses meus olhos existem pra te ver
Esses olhos teus existem para eu me perder
Toda vez que encontro sossego
Toda vez que vou dormir mais cedo
Lá vem você

Ô mulher...
Me mata de uma vez!
Ou você gosta mesmo
É de me ter aos seus pés?

Malvada.

Mais acessados

Ocorreu um erro neste gadget

Blogroll

About

Blogger templates

Blogger news