Archive for Janeiro 2013

1/30/2013 2

A gente jogava bola na rua

By Almi Junior


Eu relembrei aquelas luzes
E tinham outras cores
Outras árvores
Até os pássaros eram outros
E cantavam mais
Eu relembrei aquele espaço
E não tinham tantos carros
Nem tantas dores
Fora os pés machucados
Terra entre os dedos
Terra até nos cabelos
E a gente aprendia a levantar logo
Ou ficar no chão mesmo
Rindo do seu próprio tombo
A gente nem se perguntava
Se tinha menina bonita olhando
A gente passar vergonha
Elas eram bonitas
Mas rir era mais
Relembrei aquele allstar
Que todo mundo gostava
E hoje nem me serve mais
Hoje eu sinto o aperto
Desse mundo do avesso
Cheio de novas obrigações sociais

1/28/2013 0

Transeunte dos seus cheiros

By Almi Junior


Transitando
Dentro do seu transe
Percebo que quando você pisca
Cada relampejo
É beijo de despedida
Seu beijo
É a porta de saída
Que me apresentava
Uma desconexão interessante
Sua voz
Feito desejo feroz
Ecoava distante
Aos quatro cantos
Da minha ferida
Antes eram algumas madrugadas
Noites prolongadas
Ligações inesperadas
Saudade assumida
Mas ainda estou em transe
E transito
No trânsito
Do perfume da noite
Que mora na sua nuca

1/24/2013 0

Trajeto

By Almi Junior


O ônibus dá a volta na cidade
E eu
Volto à mim
Envolto das mesmas perguntas
Com sabor de novidades trancafiadas
E todas as minhas melhores palavras
Afiadas
Se voltam à mim
Apresento-me
Um poço de compreensividades
Cheio de incompreensão
Encontro-me
Como o asfalto que percorro
Nunca poderei descansar
Nem escolher outra natureza
O meu socorro
É descansar na minha própria estranheza
E lotar minhas paredes interiores
De questões
Irrespondíveis
Ficar imaginando
Qual o sentido
De fazer isso toda vez que passo pelo cobrador
E me sento próximo a uma janela embaçada de sereno
Quando vibra o motor
Vibram em mim
Desencontros pessoais

1/22/2013 2

Musicada

By Almi Junior


Adormecia
Em meio as músicas
E as minúcias derramadas
No seu cabelo
E no seu pescoço
Um gosto de reviver
Sinto a vida crer
Que somos música
Em essência
Da mais intensa
Forma de ser
Acordava
Em meio as asas
Debruçadas sobre si mesma
E as renúncias caíam
Quando seus cabelos esticavam
Caía o meu queixo
E sem desfecho
De música nos cobriam
Eram pés roçando o céu
Do meu cérebro
Eram seus pés tocando
Instrumentos em mim
O seu sorriso
Roçando a luz do fim do túnel
Da minha espera
Você passava
Calada
Toda musicada
Musa
E cada música
Parecia única
E era

0

A poesia não é minha

By Almi Junior


Eu desisto
De tentar fazer vocês entenderem
Que eu não sou minha poesia
A minha poesia me é
Eu não conto em poesia
Como é a minha vida
Mas ela conta
Como ela quer
Isso não deveria ter burocracia
Deveria ser simples
Como a poesia é
Ao contrário do que muitos pensam
Poesia não limita
Um entendimento se quer
Todo entendimento é válido
E precioso
Mas perde tudo
Quando pensam que aquela poesia
É minha
Não é pra você
Nem pra você
E nem pra você aí
A poesia não tem dono
Não tem autor
Nem leitor
A poesia não é texto
Nem matéria
A poesia é vento
Uns sentem
Outros não
Uns gostam
Outros odeiam que lhe bagunce o cabelo
Uns entendem
Os outros
São esses aí

1/18/2013 0

Poema que não merece título

By Almi Junior


Quero soltar este poema
Como um dragão cospe fogo
Libertar do meu peito
E quebrar o jogo
Dessas conversas que nunca me incluem
Onde os meus sonhos flutuem
E os seus sempre fiquem sobre a mesa
Como banquetes reais
E digo mais
Só digo porque meu peito não suporta
Segurar essas dores incalculáveis
Inclusive a sua
Que me persegue há anos
Me culpa por ser cego
E realmente tenho problema em ver
Mas você
Que nunca me enxerga
Nunca me repara
Deve achar lindo me dizer tchau de novo
Mais uma estação parada
Que novela repetida
Que péssima interpretação
Por isso eu coloco meu coração
À mostra
Pelo resto da vida
Enquanto a sua imagem some
Comprova que era só miragem

Você queria um cachorro com fome
Eu queria uma poesia pra ser li(n)da

Embrulha, é para viagem.


Faça desse Drama by 5 A Seco on Grooveshark

1/17/2013 0

Espalhado à sua volta

By Almi Junior


Seu olhar de lá
Pra cá
Me deixando assim
Disperso
Quando beijo vira verso
No ar
Flutuam sobre nós
Poemas de algum canto
Pra fazer jus ao nome
Ao seu nome
Vem arte entranhada
Fazer charada na sua pele

Um chá da sua pele
Do seu perfume desgovernado
Seu olhar do outro lado
Permaneço assim
Partículas de mim
Pelo tapete
Pra grudar nas suas unhas feitas
Feito espadas destino
Minha cabeça de menino
Vai brincando
Enquanto você se ajeita

1/15/2013 0

Silêncios e ecos

By Almi Junior


Eu tenho olhos
Famintos de céu
Meus olhos são pássaros
Voam onde minha voz não voa
Tenho lábios medrosos
A minha boca é um menino novo
Cheio de vozes tímidas
Uma feição inteira
Em silêncios
A mente inteira
Em ecos
A minha mente
É um quarto de ecos
É por isso
Que não aguento me olhar por dentro
O barulho é ensurdecedor
Meus olhares são lançados
Pra fora de mim
Para que eu não enlouqueça

Os olhos fogem
A boca repousa
A mente alarma

Tudo é um sinal
Tudo é um porquê
Tudo é um pra quê 
Razões em alarme constante

1/11/2013 2

Outro mar

By Almi Junior


Eu senti o cheiro de outro mar
Depois daquele mar
De sempre
E o vi mais espelhado
Mais estirado
Como uma imensa rede
Indo de ponta a ponta
E me deu sede
Só de olhar
Meus pés naquela água
Me davam uma sensação distinta
Uma sensação oposta
Eu vi as cores do outro mar
E o mar me viu
De tão calmo pensei que o outro mar
Fosse um rio
Mas talvez fosse impressão
Por alguma superstição
Em minha presença
O mar dormiu
Dormiu entre aspas
Entre reticências
Quantas reticências aquele mar

1/07/2013 2

Mais

By Almi Junior


Andei com os pés trocados
E na emboleira desses dias
A gente vive
Com a sensação eterna de um declive
E sai catando todas as ventanias
Que atravessam os cílios
A gente vive
E deixa brilhos
E cor por toda parte
E só a arte compreende nossas manias
De não morrer
Nem querer menos
Felicidade vaporizada é pros pequenos
Se sou poeta
Já nasci querendo o que fica atrás dos horizontes
O que ficou no agora
No amanhã
Nos ontens e anteontens
Em toda parte
Não existe tempo que já foi embora
Ou tempo que está por vir
A minha felicidade mora
Na intangibilidade das coisas
Mas não despreza o que está em mãos
Felicidade não é afoita
Nem engana o coração
Felicidade é beijo encostado no muro
E estalo quando abre o portão
Se fosse pra querer um amor obscuro
Nadando em nuvens de ilusão
Bebendo felicidade liquida
Eu ficava
Mas não sei nadar
E não estou com sede
Prefiro pisar no chão

Isso nem mancha no meu calendário

1/05/2013 0

Pesado

By Almi Junior


Acordei com um peso
Que não é meu
E me apertou os braços a noite toda
Eu parei pra ver
Cada luzinha dessa que passa na janela
Mas algo me pesou os olhos
E a boca
Um peso que não é meu
Eu parei pra ouvir
Cada sonzinho desse que sai do seu celular
Mas algo me pesou os ouvidos
Então eu desisti
Sonhei que estava caindo
E foi aquela sensação estranha
De cair em si mesmo
Ou de uma queda sem lógica
Sem adrenalina
Eu parei pra tocar meus lençóis
Mas não eram meus
Nem meus braços eram meus
Nem meus olhos nem minha boca nem meus ouvidos
Nada ali era meu
Só o meu peso
Levantei com o peso maior do mundo
O meu peso

Mais acessados

Ocorreu um erro neste gadget

Blogroll

About

Blogger templates

Blogger news